quarta-feira, setembro 06, 2006


Busque
vagina,
Saiba que
não é posse tua,
Nem comodato.

É permissão de uso
Com clausulas:
‘Dá-me o que dou a ti:
Amor por amor,
Prazer por prazer,
Confiança por confiança,
A entrega da minha vida
Pela tua.
E se não é o caminho,
Que o amor ache atalhos
Percorra o mais breve.
Venha a mim para não ir
Só quando a infeliz sorte,
A morte, nos visitar'.


A Criação: 6/09/2006

A “Escrição”: No intento sempre de valorizar a mulher, pois não há escapatória. Delas nascemos, dependemos, com elas morremos e por elas também. É sempre interessante lembramos os séculos de injustiça que o mundo ocidental, hipnotizado pela Igreja, cometeu de crimes hoje abomináveis, contra a identidade feminina. Esqueciam talvez que as mães eram mulheres.

2 comentários:

O nada que existe... disse...

Olá Amigo!!!

Estou na ativa novamente, e contente por te ver firme e forte com o blog!!
É isso mesmo!!!
Parabéns!!

Patrícia disse...

Olá!!!
Resolvi procurar por blogs daqui de Resende e encontrei o seu.
Eu adoro poesias e achei bem legal as suas! Apesar de adorar eu não consigo escrevê-las então me contento em ler apenas!
Vou voltar aqui depois pra ver se tem novidade =]
Um abraço